LA LUNA PARTE V



A bebida começou a fazer efeito, eu envelheci umas três décadas. Meus cabelos ficaram grisalhos e minha barba cresceu. Carnius mudou sua cor para branco com manchas pretas e seu rosto estava todo preto, seu porte diminui, ficou parecendo um cão vira-latas, assim saímos em rumo a vila.

Caminhamos rapidamente e pegamos a estradinha, apesar de todos olharem para a gente ninguém poderia reconhecer-nos. Não podia entrar em casa, pois até para eles eu era um estranho agora, arrumei uma desculpa assim que bati a porta de minha casa.

Meu irmão atendeu, ele estava triste e envelhecido, assim que abriu a porta era assustou-se e em voz baixa, quase sussurrando perguntou:

_ Lucius? Você veio me salvar?

Coloquei meu dedo indicador sob meus lábios pedindo a ele que ficasse em silêncio não podia entender como meu irmão pode me reconhecer, então ele puxou meu braço forçando-me a entrar em casa, Carnius me seguiu.

_ Meu irmão como você me reconheceu? Você está sozinho aqui em casa?

_ Sim Lucius, eu estou sozinho, já faz alguns dias que nossa mãe me mantém aqui em casa preso, ela disse que é para que a fera não me mate, disse que você era essa fera, mais sei que não é. Ela é o monstro.

_ Como sabe disso meu irmão.

_ Certa noite eu a segui e vi sua transformação, depois eu a escutei conversando na floresta com uma senhora, e ela disse a essa senhora que lhe desse de beber uma poção dentro de duas garrafinhas, e que mandasse você dar ao seu guardião a outra garrafinha antes do anoitecer.

_ O que há na garrafa meu irmão?

_ Um encantamento para deixar você mais velho e fraco e transformar o cão num animal comum, a poção no cachorro só faz efeito até a lua lançar seus primeiros raios na terra, nesse momento você deveria dar-lhe um liquido de um outro frasco para ele beber, nesse frasco a veneno, com o cachorro morto você seria um adversário fácil.

_ Nós bebemos o primeiro frasco, eu envelheci, mas, como você conseguiu me reconhecer? E como você sabe da existência de meu cachorro?

_ Nosso pai Lucius, nosso pai disse que eu deveria ser seu guia numa batalha entre as forças das trevas e os seres benéficos. Ele também me deu uma poção, essa poção fez com que eu enxergasse através da magia. Vejo você como é, sua verdadeira forma, não o corpo que você tem agora. Lucius, meu irmão, nós todos fomos enganados por nossa mãe. Você deve matá-la é o único que conseguirá isso. Estou disposto a sacrificar minha vida para que você consiga isso.

Os irmãos se abraçaram, Carnius olhava aquela cena, estava desconfiado e preocupado, eles precisavam agir com pressa, a lua logo estaria lançando os raios na terra e antes disso La Luna deveria ser destruída.

Nesse instante a porta se abre e a mãe dos jovens, passa por ela:

_ O que está havendo aqui? Quem é esse homem meu filho?

Lady Debby Lenon

Continua...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Assalto

Solidão

VINGANÇA DO CORAÇÃO