O dia em que salvei a Terra













O dia em salvei a Terra

por Jack Sawyer
jack.sawyer@itelefonica.com.br
http://contosfantasticosdesial.blogspot.com


Eu já contei a vocês como salvei a Terra?

Ano 1908 – 07:05 am

Sórem segura o manche firmemente. Acabara de entrar na atmosfera terrestre. Voava a baixa altitude. Não queria que sua missão acabasse antes mesmo de começar. Apesar de usar um moderno caça de reconhecimento, que era praticamente invisível para os equipamentos desse século, ainda poderiam ser visto por alguém.
Segundo suas fontes, a região de Tunguska não era deserta como a Sibéria. Havia casas esparsas em meio aos pinheiros e ao redor do lago que leva o mesmo nome.
Olhou novamente o relógio temporal da nave. Estava na data certa, 30/06/1908.
Continuava a segurar o manche firmemente e o dedo polegar sobre o botão amarelo com as letras R.A.P.(1). Apesar da nave ser dotada de piloto automático, ele queria ter certeza de que apertaria o botão no momento certo.
O medo de não ter sucesso na missão o preocupava. Não tinha medo de morrer, mas das vidas que dependiam desta missão.
Isto o fez pensar em seus amigos e familiares, conseqüentemente uma torrente de lembranças e memórias o invadiu.

Ano 3500.

Preston ditava ordens aos oficiais rebeldes do pelotão de defesa da antiga Terra. Alguns milhares de sobreviventes que defendiam o que sobrara do planeta terra. Um ambiente devastado, cheio de crateras, quase seco, com inúmeros desertos, onde outrora havia o que chamavam de oceanos. Somente nas áreas mais profundas ainda havia água. Lá era o território dos iguanóides. Seres que um dia foram humanos, mas que, com a primeira inundação passaram a viver na água e na terra. Isso aconteceu depois do primeiro impacto de um meteoro que atingiu a terra em 1908 que, alem de tirar o planeta alguns graus de sua elipse, provocou também um aumento nos oceanos e redução da temperatura global com o bloqueio do sol causado pela nuvem de poeira em conseqüência do impacto.
Cem anos se passaram e o planeta fora novamente atingido por um asteróide em 2012. Aqueles míseros graus de deslocamento em 1908 foram o suficiente para colocar o planeta em rota de colisão.
O primeiro a ser atingido foi o nosso satélite natural, a Lua, o que aliviou o impacto desviando o asteróide para o oceano. Tsunamis e maremotos se seguiram nesta seqüência trágica de catástrofes naturais desencadeadas por um único elemento.
A maior parte do que sobrou da população conseguiu migrar para outros planetas, como Marte, por exemplo, que havia sido colonizado posteriormente ao primeiro impacto.
Após a criação de um posto avançado em Marte, foi instalado um portal transmissor-receptor remotamente, por meio de robôs. Após a instalação, o teste foi um sucesso, trazendo de volta a Terra os robôs de Marte.
Por meio deste portal, foi possível transportar equipamentos, mantimentos e pessoal para Marte. Também foi possível, na hora necessária, evacuar um grande número de pessoas, quando a situação se agravou.
Os cientistas decidiram que a única forma de evitarem o fim seria mudando o passado. Baseado na tecnologia do portal conseguiram criar uma maquina do tempo, apenas mudando a freqüência de entrada e saída.
Vários eventos foram alterados no passado, mas nada mudava no presente.
O retorno para o seu tempo era programado pelo dispositivo R.A.P., normalmente preso ao pulso, que possibilitava o regresso do viajante sem a necessidade de localizar o portal.

1908 – 07:12 am

De volta de seus pensamentos, Sórem começa os preparativos para o impacto. Ligou no painel a chave que ativa o botão R.A.P. adaptado na nave.
Ligou a chave uma, duas, três vezes. O botão do manche não acendia. Refez toda a checagem de instrumentos, tudo funcionando menos o botão R.A.P.

1908 – 07:14 am

Já tinha contato visual com a rocha que despencava do céu. O pânico tomava conta de Sórem, que tinha menos de um minuto para pensar em uma alternativa. Ajustou a autodestruição da nave para o momento do impacto.
Lamentou não poder rever seus amigos e familiares. Agora Sórem está preso neste século com a missão de salvar o planeta. Já podia sentir o calor do imenso petardo rochoso que se consumia em chamas com o atrito com a atmosfera rica em oxigênio da Terra.

1908 – 07:15 am

A autodestruição da nave de Sórem ocorreu no mesmo instante do impacto com o bólido rochoso a aproximadamente 10 km da superfície terrestre. A onda de impacto e calor gerado foi equivalente a 1000 bombas semelhantes à lançada em Hiroshima(2), devastando toda a região do lago Baikal. A potência foi o equivalente a 10 megatons derrubando 80 milhões de árvores em uma área 2150 quilômetros quadrados. A autodestruição da nave criou um pequeno buraco negro sugando todos os fragmentos, tanto da nave quanto da rocha, para que a ação de voltar no tempo não tivesse repercussões além das propostas para a solução do problema futuro.
Havia outro R.A.P. ligado ao computador central da nave, que estava programado para retorno se houvesse alguma avaria na nave. Este estava funcionando e registrou cada momento do vôo de Sórem, inclusive sua última gravação.
- “Digam a todos como salvei o planeta Terra”
... fim da transmissão.
Sórem gostaria de saber que a missão dele foi um sucesso.

Fim

--------
(1)R.A.P.: Retorno Automático do Piloto.
(2) A bomba de Hiroshima explodiu em 6/08/1945, bem depois do evento no texto, mas Sórem era um viajante do tempo e já sabia disso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Assalto

Solidão

VINGANÇA DO CORAÇÃO