A VINGANÇA DE NAZIAM

Como viram no post anterior, eu coloquei o conto da Rita Maria Félix da Silva:CENA NO JARDIM DE DOM HECTOR DE BRANDABADERE  e que derivou  As Canções de Mimeme de Daniel Folador e acabou derivando o meu conto.
Para que vocês se situem melhor eu sugiro ler antes CENA NO JARDIM DE DOM HECTOR DE BRANDABADERE e logo em seguida As Canções de Mimeme para depois ler o meu. É só para um entendimento melhor, não existe uma sequência, mas alguns personagens e cenas são citadas neste conto e se referem aos dois anteriores.
Espero que gostem. Boa leitura.

A vingança de Naziam




Baseado no universo do Jardim de Dom Hector de Brandabadere.

de Rita Maria Félix da Silva.





O rei dos peixes há muito lamentava a perda do filho para as nuvens sapientes e devoradoras. Entre seus inúmeros filhos, este era o senhor dos seus exércitos, o primeiro na sucessão do trono e o mais dedicado ao reino. Todo o reinado sentia a perda do príncipe Nagô, e prometeram ao rei, total apoio caso ele se dispusesse a guerrear contra as feras gasosas. Essa era a intenção do rei, mas isso exigiria muitas alianças.

Após reunião com seus conselheiros, o rei Naziam despachou várias cartas através de seus mensageiros.

O primeiro da lista era o povo das profundezas. Era um povo isolado que vivia quase em total escuridão. Tinham corpos grandes, longos pescoços e boca muito larga. Tinham necessidade de ar mas não precisavam ir até a superfície, pois produziam sua própria reserva em bolsões dentro de cavernas subaquáticas.

Os bolsões eram tão grandes e interligados pelas cavernas que formava uma grande cidade seca em baixo do lago. Pequenas criaturas da superfície que porventura caíam no lago e chegavam até o fundo ainda vivas, logo eram resgatadas pelos abissamicos (como eram chamadas as criaturas das profundezas) e lá viviam.

Para os que viviam na superfície, lamentavam a morte pois o corpo jamais aparecia. Dizia a lenda que existe uma cidade submarina, mas ninguém jamais retornou para confirmar a historia e o rei dos peixes dizia desconhecer tal cidade.

Os abissamicos, apesar de não jurarem lealdade ao rei Naziam, aceitaram se aliar a ele em sua guerra contra as nuvens.

O rei Naziam ainda precisava de mais um aliado. Entrou em contato com o povo dos olhos grandes, aqueles que respiravam acima e abaixo da linha d'água. Essa aliança era fundamental para que seu plano desse certo. A negociação foi longa, o príncipe Lyan queria garantia para preservar seu povo. Não podia arriscar uma aliança e, se o plano não desse certo, seu povo seria o primeiro a ser tomado em represália. O rei Naziam prometeu asilo em seu reino para os perseguidos. Ao final, o príncipe Lyan cedeu e aceitou os termos.

Findando mais um dia, o sol lançava seus últimos raios como se estivesse tentando se agarrar em algo para evitar se pôr. Desta vez o o crepúsculo tinha tons de lilás e amarelo. Em seu oposto a lua já providenciava sua luz em forma de fitas prateadas.

Novo dia. Uma manhã silenciosa, quebrada apenas pelo ranger das asas das borboletas renascidas dos espelhos quebrados, voavam sobre o lago espalhando flashes coloridos refletindo o sol na água.

A lagoa estava limpa, sem folhas, sem plantas e sem insetos sobrevoando. Um ótimo trabalho do príncipe Lyan e seus súditos.

O plano do rei Naziam já estava em andamento. A superfície totalmente plana, sem nenhuma ondulação como se fosse uma grande camada de plástico, que poderia até enganar as formigas tecnocratas.

As nuvens estavam saindo de seu pequeno paraíso, em direção ao centro do lago, sem desconfiar ou perceber a ausência de qualquer coisa sobre a água ou qualquer animal em suas margens. Nem ao menos notaram um sutil movimento circulatório na água.

Em um movimento sincronizado, todos os súditos do rei Naziam começaram a nadar em sentido anti-horário. O formato ovalado do lago facilitava a navegação. Logo, o fundo já rodopiava em um redemoinho violento, mas a superfície ainda era calma, sem nada flutuando. Era impossível perceber que a água se movimentava. O povo abissamico também fazia sua parte girando no fundo lo lago.

As nuvens perceberam o movimento dos peixes em círculos e entenderam que teriam uma tarde farta.

Logo um pequeno funil se formou na superfície e foi se alargando aos poucos. Os peixes começaram a ficar visíveis de cima e as quatro nuvens sapientes começaram a se juntar formando uma grande nuvem cinza. O redemoinho foi ficando cada vez maior e as nuvens sapientes se preparavam para baixar e estender seus tentáculos gasosos para as laterais e começar o recolhimento.

De repente, dois seres abissamicos saem do fundo, girando entre si e com as bocas largas bem abertas e, em um ataque sincronizado engolem a grande nuvem, um de cada lado eliminando de vez a ameaça.

Os lagartos sobre as rochas meteóricas, as flores comedoras de metais, as formigas tecnocratas, o pato humanoide, todos olharam para o lago ao ouvirem um grande “tibum”. Logo todos voltaram a seus afazeres, como se nada tivesse acontecido.

Vivas e urras partiam do reinado de Naziam. Os dois seres abissamicos retornaram para a cidade bolha e lá depositaram as nuvens. O príncipe Lyan voltou para os seus domínios, as margens do lago.

O restante vivem em harmonia. As formigas prosseguem em sua marcha interminável em busca do precioso plástico para o seu foguete. O ocaso se aproxima mais uma vez, agora com longas fitas vermelhas e púrpuras. Desde a morte de Mogono e a fuga de Mimeme, o único som que se houve é o piar da coruja.

No fundo do lago, bem no fundo da cidade bolha, uma pequenina bolinha de ar consegue escapar das cavernas e flutua velozmente em direção à superfície.



Jack Sawyer


    

Comentários

Rita Maria Felix da Silva disse…
Sílvio, ficou ótimo. Eu adorei.
DanielFolador disse…
Legal o conto!
A vingança ficou bem plausível, me perguntava o que peixes poderiam fazer contra nuvens... As cores do pôr-do-sol foi um link legal com meu conto.
Só acho que faltou as cigarras teocráticas no sons da noite.
Abraços!
Obrigado Daniel e Rita pelos comentários. Fico feliz por ter atingido as expectativas.
Rodolfo Willian disse…
Muito bom. A criatividade é o seu forte!

Postagens mais visitadas deste blog

O Assalto

Solidão

VINGANÇA DO CORAÇÃO